Edifícios

A Casa de Madeira Sem Pregos

A construção de casas de madeira está a tornar-se cada vez mais popular no nosso país. Além dos óbvios benefícios ambientais, as casas de madeira apresentam características de salubridade, aspecto exterior e interior e em muitos casos de comportamento estrutural, incomparáveis a construções de qualquer outro material.
Uma das grandes desvantagens da utilização de madeira estrutural, reside nas ligações metálicas utilizadas. Os parafusos, pregos, espigões e placas de ligação têm um mau comportamento na presença de calor, durante um incêndio e tendem a tornar-se o elo mais fraco na harmonia estrutural de uma edificação de madeira.
A utilização de pré-fabricação e recurso a máquinas de corte de precisão, permitiu à Techwood, uma empresa americana especializada em construção em madeira, criar a primeira casa em madeira, sem peças de ligação independentes. Em vez disso, a casa monta-se como se de uma construção Lego se tratasse, sem recurso a pregos ou parafusos ou sequer colas. Em vez da utilização da tradicional tecnologia modular, a Techwood recorreu à estandardização de peças de madeira, o que permite uma versatilidade construtiva sem igual.

 


Outros Artigos Interessantes:

Álvaro Santos Pereira e as Obras Públicas
A Viga que Cancelou Concertos no Optimus Alive
Violento Sismo no Japão Coloca de Novo em Perigo os Reactores de Fukushima
A Utilização Abusiva das Escombreiras nas Minas da Panasqueira
Linha de Mercadorias Sines-Madrid
Paineis Orgânicos Fotovoltaicos Mais Eficientes
Degradação de Pilares Ponte de Chamadouro no IP3
Centenas de Obras Paradas em Lisboa

Comentários

  1. Gostava de saber mais sobre as vossas casas pré fabricadas, áreas, valores e se possível se poderiam enviar fotos. Gostaria ainda de saber se para uma casa destas é necessário o terreno estar estar inscrito no PDM.

    Com os melhores cumprimentos

    Paula Antunes

    Por Paula Antunes | 22 de Outubro de 2015, 19:37
  2. Maravilha , gostaria de saber mais !!

    Abraços
    Alzira

    Por Alzira Fernandes Batista | 5 de Setembro de 2016, 16:45

Comentar